COLUNISTAS

QUAL ENTRE OS CANDIDATOS AO GOVERNO DA BAHIA TEM O MELHOR PROGRAMA DE GOVERNO?

FRASE DO DIA

"No próximo debate, Marina vai ser mais testada. Até o encontro da Band, havia uma certa prevenção por parte de Dilma e Aécio, no sentido de deixar Marina andar com as próprias pernas e ver se ela ficava de pé".

Avaliação feita pelo cientista político e professor do Instituto de Ensino e Pesquisa, de São Paulo, Carlos Melo.


 



ESTALEIRO NAVAL EM MARAGOJIPE VAI GERAR 30 MIL EMPREGOS
02/07 - 07:41hs - Érica de Sá


 



O governo da Bahia está trazendo a indústria naval para o Estado, através da implantação de estaleiro para a construção de navios, plataformas e manutenção na BTS e região de São Roque do Paraguaçu. A previsão é de R$ 1,4 bilhão em investimentos e geração de até 30 mil  empregos. O feito envolve uma realização de capacitação de mão de obra para 1.200 pessoas em Maragogipe.
 
Para a realização do projeto, foi feita uma Audiência Pública de licenciamento, em janeiro deste ano, que contou com a participação 1.500 pessoas. Também já foi obtida a Licença Ambiental Prévia, em maio passado.
 
Outro Protocolo de Intenção, assinado com a Construtora Norberto Odebrecht, prevê investimentos de R$ 500 milhões, geração de cinco mil empregos diretos na construção de navios e plataformas. Vale ressaltar também o Protocolo de Intenção da UTC Engenharia, este com investimentos de R$ 960 milhões e geração de quatro mil empregos para construção de plataformas off shore.

Empregos

 
O estaleiro  Paraguaçu terá capacidade para construir plataformas de petróleo e navios e vai criar cerca de oito mil empregos, diretos e indiretos, sendo que 70 % serão de mão de obra local. Na fase inicial, serão contratados 3,9 mil trabalhadores e quatro mil na fase de operação.

A indústria brasileira de construção naval emprega diretamente mais de 46 mil pessoas. Considerando os empregos indiretos na indústria fornecedora e de serviços, somam-se 230 mil postos de trabalho, com um salário médio de R$1.500, representando uma contribuição anual de cerca de R$ 4 bilhões à massa salarial brasileira. O mercado brasileiro para a construção naval prossegue promissor por estar ancorado na Petrobras.