COLUNISTAS

QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE O TRÂNSITO DE AUTOMÓVEIS NA BARRA?

FRASE DO DIA

"Evidentemente temos desafio com relação ao primário este ano, porque as receitas caíram muito, por inúmeras razões"

Joaquim Levy
Ministro da Fazenda

NESTLÉ E APAEB MOSTRAM COMO CONVIVER COM A SECA
06/07 - 06:25hs -



Em relação à seca, enquanto os sucessivos  governos, nas esferas federal, estadual e municipal, parecem  dar  mais importância a intervenções de cunho paliativo e menos  às tecnologias de convivência com as secas,  como as  disponibilizadas pela EMBRAPA SEMIÁRIDO (barreiros, barragens subterrâneas, cisternas, captação in situ e outras), o setor privado, entidades não governamentais  e de agricultores familiares e o Ministério do Desenvolvimento Social  vêm, sem alarde, fazendo sua parte em algumas comunidades da Bahia e do Nordeste,  com providências mais efetivas e de efeito mais duradouro, embora em escala menor.

Com efeito, os números de junho das Revistas “Dinheiro Rural” e “GloboRural” publicaram interessantes  matérias sobre iniciativas em curso no sertão baiano, assolado pela seca mais severa das últimas quatro décadas, com mais de 240 municípios em estado de emergência.

A Dinheiro Rural faz alusão ao projeto  “Água no Sertão”, patrocinado pela Nestlé, com incidência no município de Pintadas, a 260 quilômetros de Salvador, no qual os pecuaristas de leite receberam cisternas e  açudes  para armazenar  água da chuva.

Segundo a coordenação do projeto, o objetivo é  ter uma estrutura capaz de guardar  água nos próximos anos. Ao todo, foram entregues  a 136 produtores  41 cisternas e  68 pequenos açudes para o gado beber água, sendo que estes últimos têm capacidade para suportar 10 meses de estiagem. 

As cisternas, de até 16 mil litros de água, ficam para o abastecimento humano. A Nestlé, como se sabe, precisa do suprimento de leite para abastecer, no caso em tela, sua unidade de Feira de Santana, distante 140 quilômetros de Pintadas.

A outra experiência,  relatada na Globo Rural, refere-se a uma iniciativa nos municípios de Serrinha e Riachão do Jacuípe, sob os auspícios do Programa P1+2, elaborado pela  Articulação do Semiárido  (ASA), rede composta por organizações da sociedade civil  em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social, Associações de  Pequenos Agricultores Familiares (APAEB)  municipais e empresas.

O propósito aqui é disponibilizar tecnologias individuais -cisternas e  barragens  subterrâneas- para fins de armazenagem e desenvolvimento da produção agropecuária, priorizando a distribuição para quem já dispõe da  cisterna para consumo humano e tem aptidão para a produção rural. 
 

José Maciel dos  Santos Filho 

Envie seu comentário:

* Nome:
E-Mail:
* Comentario:
 


Rua Dr. José Peroba, 297, edf. Atlanta Empresarial, sala 1503 - Stiep - Salvador CEP: 41.770 - 235 - Tel: 3037 - 2960