COLUNISTAS

QUAL SERÁ A BASE DA POLÍTICA ECONÔMICA DA PRESIDENTE DILMA NO 2º GOVERNO?

FRASE DO DIA

“Se eu for conversar vou conversar com todo mundo, mas não vou interferir”

Alan Sanches
Deputado estadual falando sobre a possibilidade de ser candidato a presidência da Assembleia Legislativa

PRODUÇÃO INDUSTRIAL BAIANA TEM INCREMENTO DE 13,4% EM JULHO
06/09 - 17:16hs - Irlã Andrade


A produção industrial baiana - de transformação e extrativa mineral - obteve, pelo quinto mês seguido de taxa positiva, crescimento de 13,4% em relação a julho de 2012. Na comparação com o mês de junho de 2013, a produção industrial teve alta de 0,5%, na série com ajuste sazonal, enquanto acumulou 7,0% tanto no período de janeiro a julho de 2013 quanto no acumulado em 12 meses.

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal realizada pelo IBGE e as informações foram analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia da Secretaria do Planejamento (Seplan). Segundo o estudo, no mês de julho, entre as unidades federativas pesquisadas, a indústria baiana (transformação + extrativa) ocupa a segunda posição, com taxa de 13,4%, atrás apenas do Rio Grande do Sul (13,8%).  A taxa também é superior à média nacional (2%) e a da região Nordeste (5,6%).

A pesquisa apontou que a Indústria de Transformação baiana teve destaque e ocupou a primeira posição entre todas as unidades federativas, com crescimento de 14,1%, também superior à média nacional (2,3%) e à taxa do Nordeste (6,1%). Sete dos oito segmentos da indústria de transformação registraram crescimento no confronto julho13/julho12, com destaque para Metalurgia básica (100,2%), impulsionada pela fabricação de barras, perfis e vergalhões de cobre e vergalhões de aço ao carbono, mas também pela baixa base de comparação, uma vez que esta atividade assinalou recuo de 39,7% em julho de 2012.

De acordo com Pesquisa Industrial Mensal, dos oito segmentos da Indústria de Transformação, seis influenciaram o crescimento de 7% no período de janeiro a julho de 2013, com destaque para Refino de petróleo e produção de álcool (16,7%), Metalurgia (28,9%), Produtos químicos (3,5%), Veículos (32,0%), Celulose e papel (4,5%) e Borracha e plástico (9,9%). Negativamente, figuraram os segmentos de Alimentos e bebidas (-5,7%) e Minerais não metálicos (-3,8%).
 



Rua Dr. José Peroba, 297, edf. Atlanta Empresarial, sala 1503 - Stiep - Salvador CEP: 41.770 - 235 - Tel: 3272 - 2960