NOTICIA
politica

politica

QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE A COBRANÇA DA TAXA DE FORO PELA PREFEITURA DE SALVADOR?

“Entendo que o maior problema da economia baiana é que o desenvolvimento econômico não repercute no desenvolvimento social, ou seja, os frutos gerados pelo crescimento da economia não têm se revertido em benefícios para a nossa população”.

Candidata ao governo, Lídice da Mata (PSB), ao falar da economia do Estado. 


 

Notícias

02/01 - 13:27hs
DEPUTADO CRITICA DECLARAÇÕES DE JAQUES WAGNER


 

Na primeira sessão plenária do ano, realizada nesta quinta-feira 2, o deputado Sandro Régis (DEM) criticou as declarações do governador Jaques Wagner, que culpou o governo anterior pelo rombo na previdência estadual. O governo petista tenta a aprovação na Assembleia Legislativa da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 4830/2013, que autoriza o uso de recursos dos royalties de petróleo para cobrir o rombo de R$1,6 bilhão da previdência. 
 
Em entrevista ao jornal A Tarde, o governador Jaques Wagner disse que o rombo na previdência estadual não é do seu governo e que os governos anteriores deixaram uma bomba relógio para ele. Indignado, Régis lembrou que quando o petista recebeu o governo das mãos do ex-governador Paulo Souto, a imprensa repercutiu declarações em que ele elogiava o antecessor por deixá-lo “um governo saneado e com dinheiro em caixa”.
 
“O rombo na previdência é resultado da falta de competência deste governo. Foi Jaques Wagner quem colocou como secretário da fazenda um amigo particular seu que não tinha competência para o cargo”, disse Régis. E prosseguiu afirmando que “o atual governo esqueceu-se de planejar, tratou o Estado fazendo politicagem e depois de quase oito anos quer colocar a culpa no ex-gestor”.
 
Em resposta, o ex-governador Paulo Souto declarou que em seu governo o sistema previdenciário passou por um processo de modernização e que, ao deixar o cargo, entregou o Fundo de Previdência do Servidor da Bahia (Fundprev) com R$ 400 milhões em caixa.
 
Régis disse ainda que “herança maldita” será deixada pelo atual governo, em decorrência do descontrole orçamentário e financeiro, evidenciado pelo uso de recursos vinculados para cobrir déficits próprios que já chegam a mais de R$ 2 bilhões.


 

Desenvolvido por: Michael Sants